O que são os chakras?


A palavra Chakra é sânscrita e significa “roda”. No Oriente, onde se conhecem os Chakras desde a antigüidade, dão-lhe nomes exóticos. Encontramos uma vasta literatura respeito de teorias orientais que são, na verdade, a base do trabalho científico de investigadores ocidentais e de terapeutas.

Como o Reiki trabalha, principalmente, no corpo energético, é muito importante conhecer esses trabalhos. Chakras são centros energéticos coloridos e redondos responsáveis pelo fluxo energético no corpo. Têm como função principal absorver a energia universal, metabolizá-la, alimentar nossa aura e, finalmente, emitir energia ao exterior.

No Ocidente os Chakras são vistos como redemoinhos de energia, pequenos cones (funis) de energia giratória que funcionam como veículos de energia ou regiões de conexão de energia e que ligam o corpo físico ao energético, funcionando como uma espécie de aparelho de captação e expulsão, cujos vórtices giratórios ficam em constante movimento e têm, no ser humano normal, um diâmetro de 5 a 10 cm.

Os Chakras são responsáveis por complexas e inúmeras funções no corpo humano. É através dos Chakras que perdemos energia quando estamos em sofrimento físico e emocional, pois cada Chakra é um ponto coletor de uma determinada área de conflito e desenvolvimento. Os escritos antigos mencionam aproximadamente 88.000 Chakras. Isso significa que, no corpo humano não existem praticamente um ponto que não seja sensível energeticamente. A maior parte deles desempenha papéis secundários. Os Chakras trabalhados no Reiki são os sete principais e estão localizados da base da coluna ao topo da cabeça.

Dos sete Chakras principais, dois são simples, têm apenas um vórtice (acesso): o primeiro e o sétimo; enquanto os outros são duplos, apresentando vórtices anteriores e posteriores. A aura humana está ligada a esses sete principais Chakras.

O perfeito funcionamento dos Chakras é sinônimo de perfeita saúde, mas a abertura de todos a todos os níveis é sinônimo de evolução; é o que os mestres chamam de iluminação. Existem inúmeras técnicas de abertura dos Chakras; entre essas, o Reiki tem a vantagem de ser uma técnica suave.

O tamanho dos Chakras depende do desenvolvimento espiritual e das vibrações que emitimos, eles são amplos, brilhantes e translúcidos atingindo 20 cm de diâmetro nas pessoas espiritualmente desenvolvidas; nas pessoas mais materialistas, de vibrações mais baixas ou primitivos, apresentam-se em cores mais escuras, opacas e com diâmetro reduzido.

No primeiro caso, canalizam maior quantidade de energia vital, facilitando o desenvolvimento das faculdades psíquicas. Na aplicação do Reiki, se você sentir fluir energia, então esse Chakra tem um defeito na função, e precisa de energia: se você conhece as funções pode compreender o estado do paciente e saber como ele lida com a vida.


Chakra Básico



O Chakra Básico situa-se na base da coluna vertebral, entre o ânus e os órgãos sexuais, na cintura pélvica. Este Chakra é aberto para baixo e representa a ligação do homem com a terra ou com o mundo material e físico, e está vinculado à nossa existência terrena, nossa sobrevivência.

Relaciona-se com o nível da consciência que nos permite sobreviver no mundo, com tudo o que é material, sólido e corporal, como também nossa energia física e com nossos desejos de viver no mundo físico. Quanto mais aberto e vitalizado estiver este Chakra, mais elevada será nossa energia física (disposição); assim estaremos bem enraizados, e vivermos com determinação e constância nossas vidas.

Por isso, estão concentradas nele as qualidades que têm a ver com a terra e medos de sobrevivência, como por exemplo: o alimento, o ar, a água, os recursos econômicos, o trabalho ou emprego, capacidade de luta, ganhar e gostar de dinheiro, lutar pela realização de seus ideais e desejo, ter rumo e orientação e não depender de outras pessoas, ou seja, tudo o que é necessário para a nossa sobrevivência.

Se o reikiano sente que o primeiro Chakra precisa de muita energia, pode facilmente diagnosticar que o paciente tem dificuldades em uma ou em todas as qualidades acima indicadas. A cor deste Chakra é vermelha ou preta: assim, usando estas cores a sua energização pode ser acelerada.

Quando ativo tem a cor vermelho fogo, seu elemento correspondente é a “Terra” e o seu som correspondente é o Lam. Seu centro físico corresponde às glândulas supra-renais, que produzem a adrenalina, tendo a função e prover a circulação, equilibrar a temperatura do corpo, preparando-o para reações imediatas.

O desequilíbrio do Chakra básico produz fisicamente anemia (deficiência de ferro), leucemia, problemas de circulação, pressão baixa, pouca tonicidade muscular, fadiga, insuficiência renal, excesso de peso.

Bloqueios no Chakra básico freqüentemente resultam em sintomas e atitudes mentais como: pacifismo extremo (“Eu não consigo fazer mal a uma barata!”), medo existencial (“ninguém em sã consciência poderia ter filhos atualmente!”), agressão excessiva (“agridam esse nojento”!), medo da morte (“não quero correr nenhum risco!”), problemas com planejamento do tempo (“não sei porque estou sempre atrasado?”), impaciência (“porque esse idiota não sai da frente?”) e dependência (“não consigo viver sem ele/ela!”). É o Chakra que capta energia para manter em nosso corpo a coluna vertebral, rins, ossos, dentes, intestino grosso, ânus e reto.

Chakra Umbilical



O Chakra do umbigo, localiza-se na região do mesmo nome, está aberto para a frente, tendo um vórtice posterior; é o Chakra da propagação da espécie e portanto da reprodução. Como consequência lógica representa as relações afetivas no que concerne ao prazer sexual.

É o Chakra que concentra as qualidades que têm a ver com a sexualidade, curiosidade, busca criativa do prazer material, gosto pelas coisas belas, pela arte, pelas emoções e, obviamente, as relações com outros indivíduos, por exemplo: amor sexual, abertura para coisas novas, relações afetivas, amorosas sexuais.

É um Chakra fundamental, cuja correta atividade nos permite amar a vida, fazendo com que seja mais prazerosa. Se funciona mal pode transformar a vida num pequeno “inferno” pessoal que termina se refletindo nas pessoas com que vivemos e nos relacionamos. Este Chakra é a sede dos medos, dos fantasmas e fantasias negativas vinculadas à sexualidade, e do comportamento para com o outro sexo.

Bloqueios no centro sexual freqüentemente resultam em sintomas mentais, como medo da proximidade física (“não me toque!”) e repugnância pelo corpo (“sexo é para animais, os seres humano nasceram para algo mais elevado!”), mania de limpeza, incompreensão (“eu não me entendo!”), uma mente muito centrada na razão (“para que servem os sentimentos?”), ênfase excessiva a sentimentos impulsivos (“para que refletir? Eu ajo por instinto!”), isolamento (“casamento e relacionamento não me servem!”), frigidez, impotência, falta de apetite sexual (“não preciso de sexo, não vejo o que os outros obtêm com ele!”), medo de correr riscos (“eu nunca saltaria de um trampolim!”).

A afirmação “ele não tem alegria de viver” resume a condição de um Chakra Sexual desordenado; bloqueios nesse Chakra freqüentemente resultam em sintomas físicos como doenças relacionadas com os fluidos do corpo (laringe, linfa, saliva, bílis) ou com órgãos processadores desses líquidos (rins, bexiga, glândulas linfáticas). Se os dois Chakras da esfera “terra” (básico e umbigo) não estiverem abertos em todos os seus aspectos, os outros Chakras não serão capazes de abrir-se completamente e funcionarão de um modo muito restrito. Esses temores podem prejudicar a experimentação do prazer material no sentido amplo e o gozo pleno da vida. No corpo, é direcionado para os órgãos reprodutivos; suas glândulas correspondentes são os ovários na mulher e testículos e próstata no homem. Sua cor é laranja.

Chakra do Plexo Solar

Localiza-se na região do diafragma, na boca do estômago, um pouco acima do estômago, ligeiramente à esquerda, está aberto para a frente, tendo também um vórtice posterior. Representa a personalidade e estão ali concentradas as qualidades da mente racional e pessoal, da vitalidade, da vontade de saber e aprender, da ação do poder, do desejo de viver, de comunicar e participar.

É o ponto de ligação com as outras pessoas. Trata-se de um Chakra poderoso, que promove a auto-aceitação. É através de sua plena harmonia que encontramos, vivemos com plenitude nossos atributos físicos e mentais, nos movemos na sociedade com desenvoltura e harmonia.

O terceiro Chakra é o que mais se relaciona com o nosso ego e por isso absorve muita energia dos dois primeiros. Vontade e poder representa, para nós na sociedade atual, uma chave do êxito, mas pode implicar que com o desejo do aumento de posses, passemos a desrespeitar nossos semelhantes, impondo-nos sobre os demais com o objetivo de obter o que nos interessa.

O egoísmo obstruiria, desequilibrando ou desarmonizando os Chakras superiores e, consequentemente, atrapalharia nosso processo evolutivo. Esse Chakra comanda o estômago, a musculatura abdominal, o fígado, a vesícula, o baço e o pâncreas, as secreções gástricas desordenadas e as disfunções das glândulas salivares. Se o Chakra estiver desarmonizado, o sentimento de inferioridade poderá ser alimentado, e as capacidades mentais, tais como lógica e razão, poderão diminuir, aumentando, como conseqüência, a confusão e o sentimento de insegurança, podendo a pessoa produzir patologia, tais como diabetes, desordens no trato digestivo, alergias, sinusite, insônia, além da separação entre amor e sexo.

Bloqueios no plexo solar freqüentemente resultam em sintomas e atitudes mentais como pretensões ao poder e controle (“meu marido”, “minha mulher”, “meu filho”, “meu dinheiro”), ambição (“a vida não tem valor se eu não consigo uma função mais elevada”, “um emprego melhor”, “uma amante”, “se não troco de carro todo o ano”), gasto compulsivo (“preciso desesperadamente de jóias ou roupas novas!”), ansiedade de status (“o que vou fazer se o meu patrão me despedir?”, “se não passar no vestibular”, “se tiver que vender o carro novo?”) e de inveja (“esse cara tem uma BMW nova!”).

Seu centro físico corresponde ao pâncreas, cuja função é a transformação e digestão dos alimentos; o pâncreas produz hormônio insulina, equilibrador do açúcar no sangue, e transforma os hidratos de carbono, que além de isolar as enzimas, são importantes para a assimilação de gorduras e proteínas. A cor deste Chakra é amarelo, seu elemento é o fogo e seu som é Ram.

Chakra Cardíaco


O Chakra Cardíaco localiza-se na porção superior do peito, na região do coração, ligeiramente à esquerda: está aberto apara a frente, tendo também um vórtice posterior; representa o amor incondicional, que nos permite amar inteiramente e sem condições.

Quando está ativo relacionamo-nos com tudo e com todos, aceitando tanto os aspectos positivos como negativos, sendo capaz de dar amor sem esperar nada em troca. É o Chakra que está no meio, uma ponte de transferência de energia dos Chakras inferiores e superiores.

É o Chakra pelo qual passa toda energia que desejamos presentear aos outros. Somente se este Chakra é aberto e vitalizado poderemos gerar energia de cura (Reiki). Daí, alguns reikianos, logo após a ativação, sentirem a energia com maior intensidade, face estarem com o Chakra cardíaco mais harmonizado que o das outras pessoas.

O centro físico desse Chakra corresponde ao timo, cuja função é regular o crescimento (nas crianças), dirigir o sistema linfático, estimular e fortalecer o sistema imunológico; damos um sentido pleno na nossa existência se trabalharmos bem este Chakra de amor e compaixão. Quando em desequilíbrio e sem harmonia não somos capazes de amar, pensamos que o próximo, o destino e Deus, são incompatíveis conosco, podemos chegar a desenvolver mecanismos violentos de resposta aos outros. Ao invés de solicitarmos ajuda dos outros o lema passa a ser “Eu contra todos”, o que desarmoniza instantaneamente o terceiro Chakra.

Bloqueios no Chakra cardíaco freqüentemente resultam em sintomas e atitudes mentais como a imposição de condições ao amor (“se você não fizer o que eu quero irei me separar!”), amor sufocante (“filho querido, eu só quero o melhor pra você!”), egoísmo (“você precisa estar aqui no caso de eu precisar de ajuda!”). Sua desarmonia produz patologias tais como: síndrome do pânico, cãibras, acidose, palpitações, arritmia cardíaca, rubor, pressão alta, enfermidades dos pulmões, problema no nível do colesterol, intoxicação, tensão e câncer.

Sua cor é o verde, seu elemento o ar e seu som o Yam.

Chakra Laríngeo



Localiza-se no meio da garganta, próximo da região designada como “pomo de Adão”, está aberto para a frente tendo também um vórtice traseiro. É o Chakra da comunicação externa e o começo da comunicação interna (clariaudiência) e auto – expressão: governa a postura do corpo.

O Chakra laríngeo é o Chakra da comunicação, da criatividade, do som e da vibração, da capacidade de receber e assimilar e relaciona-se com o sentido do paladar, audição e olfato; é o portão para a alta consciência e para a purificação e será o trabalho desse Chakra que poderemos iniciar o caminho espiritual, em conseqüência de nos colocar em comunicação com nossa essência superior.

Quando está aberto e harmonizado somos conscientes da responsabilidade de nosso desenvolvimento em todos os sentidos, desde as nossas necessidades materiais até espirituais. Passamos a saber qual o nosso papel na sociedade, no trabalho e nos preocupamos em conseguir o máximo de satisfação possível.

É o centro psicológico da evolução da criatividade, responsabilidade, iniciativa e autodisciplina. Quando em desarmonia, aparece o medo da desaprovação social de nossos semelhantes, medo do fracasso na vida social e nos convertemos em seres potencialmente agressivos; adotando uma atitude instintiva de defesa própria, podemos ser levados a nos esconder no orgulho para poder suportar a carência de êxito.

Seu desequilíbrio produz patologias como: suscetibilidade a infecções virais ou bacterianas (amigdalites, faringites), resfriados, herpes, dores musculares ou de cabeça na base do crânio (nuca), congestão linfática, problemas dentários e endurecimento dos maxilares (bruxismo).

Bloqueios no Chakra laríngeo freqüentemente produzem sintomas físicos como rouquidão (“não consigo falar muito tempo sem ficar rouco”), a pessoa tem dificuldade de se comunicar, gagueja, suas palavras são embaralhadas, sua cabeça é curvada para baixo, seu queixo se inclina na direção da laringe.

Quando há hiperatividade deste Chakra, o indivíduo é rouco, fala com voz aguda e estridente e pode transformar-se em um demagogo, debate só por debater, gosta de discutir, quer mudar o mundo de acordo com as suas idéias; o indivíduo tenderá a manter a cabeça erguida com o nariz “para o ar”.

Esse Chakra participa de qualquer desequilíbrio psicofísico, seu centro físico corresponde à tireóide, que desempenha um papel importante no crescimento do esqueleto e dos órgãos internos, regulando o metabolismo, regula o iodo e o cálcio no sangue e tecidos.

Sua energia também é responsável pela parte inferior da face, nariz e aparelho respiratório, traquéia, esôfago, cordas vocais, laringe e sistema linfático. Sua cor é o azul, seu elemento o éter e o som Ham.

Chakra Frontal



O Chakra frontal é o Chakra dos sentidos, é responsável pela energia da parte superior da cabeça (acima do nariz), parte craniana, olhos e ouvidos. O Chakra frontal, ou terceiro olho, localiza-se no meio da testa, entre as sobrancelhas, logo acima do nível dos olhos; está aberto pela frente, tendo também um vórtice traseiro.

O sexto Chakra representa a intuição, a vidência e a audiência no campo da paranormalidade. Quando em desarmonia pode afetar esses órgãos, além de ficarmos numa situação confusa, em que as ideias e os conceitos não terão uma correspondência com a realidade, obstruindo nossas ideias criativas; ficamos sem raciocínio lógico e sem capacidade de colocar em prática nossas ideias.

Percepção, conhecimento e liderança são prerrogativas desse Chakra, que nos permite entrar no mundo aparentemente invisível mediante a percepção extra-sensorial; através dele, emitimos também nossa energia mental.

Atua diretamente sobre a pituitária (hipófise), que dirige a função das demais glândulas. Sua cor é o azul índigo, está ligado ao corpo áurico mental, não tem elemento correspondente no mundo físico, e o seu som é o Om.

Bloqueios no Chakra frontal são motivados pela sua hiperatividade e causam sintomas como falta de objetivo, instabilidade de vida (“eu não sei porque vivo!”), alienação do trabalho (“não importa o serviço desde que o salário seja bom!”), e medo de aparições, espíritos, fantasmas, etc. Alguns sintomas típicos são desemprego permanente (instabilidade profissional), mudanças de residência constantes, troca contínua de parceiros amorosos, vestir-se de acordo com a tendência da última moda, adoração de ídolos, fanatismos e fatos semelhantes, falta de opinião, ausência total de interesse por qualquer coisa e falta de iniciativa. A afirmação: “Ele não acha o seu caminho” resume a condição de um Chakra frontal desordenado. Quando em desequilíbrio produz patologias tais como: vícios de drogas, álcool, compulsões, problemas nos olhos (cegueira, catarata), surdez.


Chakra Coronário